Buscar
  • Walter Moura

Anestesias

Atualizado: 26 de Mai de 2020

Sempre fui um jovem que gostava de sorrir bastante, mas meus dentes não eram tão bonitos quanto deveriam.


Certa vez, fui à dentista e ela me disse que poderia me fazer uma cirurgia na gengiva para adequar meus dentes ao formato do meu rosto. Eu logo disse: “Tá doido, isso vai doer muito!”. Ela estava de máscara, mas mesmo assim percebi que sorria pelo seu olhar, e disse: “Eu vou aplicar a anestesia e você nem vai sentir nada.” Respirei aliviado e autorizei o procedimento.


Quando tudo aquilo acabou eu sorria para todo lado, não economizava, contava para todo mundo que me via e ainda adicionava um elemento irresistível, não teve dor.


Ser uma pessoa melhor

Muitas pessoas desejam ser melhor, ter hábitos mais saudáveis, praticar um exercício físico, trabalhar menos, aprender um novo idioma ou até a tocar um instrumento (pode escutar a música Epitáfio). Porém, acabam se esquecendo que para mudar de vida é necessário abrir mão de hábitos ruins ou até os menos bons. Afinal, não dá para emagrecer assistindo netflix, certo?


Para a transformação acontecer é preciso vivenciar uma metanoia, uma mudança de mentalidade e o que por muitas vezes não acontece facilmente, existem muitas renúncias e abdicações. Para a maioria da população é um processo dolorido. Aí está a grande chave de leitura: Para se obter o que deseja é preciso suportar a dor. (Meu Deus, fui muito clichê “No Pain, No Gain”).


Dificuldades da vida

Fugir da dor é um movimento natural de qualquer ser humano, afinal, somente um sadomasoquista (sente prazer na dor) faria esse processo de tortura para ter um ganho secundário.


O grande problema disso é que uma hora você cansará de fugir e será engolido pelo problema. Sabe por que engolido? Porque não se preparou, só correu, correu e fadigou.

Para algumas pessoas a vida é muito difícil, não se sentem amados, seguros ou aceitos. Desde o ventre materno vivenciam tantas perdas, momentos de dores e de fracassos. Não importa se são questões conscientes ou inconscientes, o fato é: Não podem suportar a dor.


Então, é nesse momento que se inicia o vício: “Vida, pode aplicar a anestesia? Não quero sentir dores”.


Os Anestesiados

De acordo com os Narcóticos Anônimos, um adicto é um homem ou uma mulher cuja vida é controlada pelas drogas. Essas pessoas, que conhecemos como viciados, são aqueles que esqueceram como era viver sem a anestesia.


Os drogados são os que não suportam (ou não querem) olhar para si mesmos ou para a sua realidade. Usando das drogas como meio de fuga, ela é um mero elemento “escolhido” pela pessoa para não enfrentar a sua realidade caótica. A culpa não é da droga em si, se ela não existisse a pessoa usaria outras coisas para o mesmo meio.


A medicina nos ensina que existe um gene que causa a predisposição para o vício, mas como eu não sou médico vou me atentar a parte da ciência estudada por mim. Como parapsicólogo clínico e especialista em comportamento humano, estudo a mente humana e poderia afirmar que existe um sinalizador psicológico em pessoas que sofreram muitas ameaças a sobrevivência desde o ventre materno. O que as torna predispostas a compulsão e ao uso de drogas como meio de fuga.


Tipos de Fugas

Acabei de descrever uma linha de raciocínio para os que usam drogas, mas esse tipo de anestesia é usado de várias formas, das mais clássicas às aparentemente inofensivas: Cigarro no stress, masturbação antes de dormir, aquele drink no “sextou”, baladinha para espairecer, um crush aqui outro ali, sexo sem compromisso… Tudo são anestesias.


Ei, pera ai, você conseguiu perceber uma coisa? O seu e o meu pecado pode ser uma anestesia para o nosso caminho de santificação.


O Caminho de Santificação

Quando falamos de caminho de santificação entende-se que é preciso lutar contra o pecado. Em algum momento será necessário fazer um grande sacrifício. É um paradoxo eu querer me assemelhar ao Cristo, mas não suportar a dor. Afinal, estamos falando daquele que pagou o preço de todos os nossos pecados na Cruz. Ele, o cordeiro imolado que foi para o sacrifício sem murmurar.


Precisamos parar com essa fé de fantasia e de mágica. Deus é um Deus de processos, Ele constrói em nós. Nós queremos que Deus faça o seu grande milagre, mas não queremos sentir nada, nenhuma dor. Para ressuscitar é preciso morrer (Leia “O sepulcro estava organizado).

Por isso sinto prazer nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias por amor de Cristo. Porque quando estou fraco então sou forte. (2 Coríntios 12, 10)

Precisamos aprender a suportar a dor, não qualquer dor, mas a dor curativa guiada por Jesus. Olhe com coragem para o seu passado, enfrente seus demônios. Abra as portas de sua história e convide o Espírito Santo a entrar.


Jesus não te abandona, Ele suportou todas as dores e sabe como te ensinar a fazer isso. O mais lindo é que além de suportar, Ele te ajudará a superá-las. Você escolhe a cruz e Ele te da o paraíso.


Oração

Se você chegou até aqui, reze comigo:

“Senhor Jesus, me dê a coragem de encarrar meus momentos mais frágeis. Me dê a Graça de aceitar largar as anestesias para me santificar. Me leve aos locais mais fundos para que, cada vez mais livre, possa ser todo Seu. Amém!”


Se possível, faça um minuto de silêncio e deixe falar com você e te mostrar por onde começar.


#DicaFormativa

Se você está com muitas dificuldades para essa jornada, procure orientadores espirituais, psicólogos ou terapeutas para que te ajudem. Pedir ajuda não é vergonhoso!

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

(27) 99639-1605

Walter Moura | CPF: 114.402.537-06 | Rua Dr. Candido Espinheira, 540 - SP

©2020 por Walter Moura - Parapsicólogo Clínico. Orgulhosamente criado com Wix.com